sábado, 6 de junho de 2009

O Duplo da Alma (de Alma Welt)

Uma noite desci do leito meu
Por sentir a presença de alguém
Numa alta madrugada de Romeu
Quando a cotovia era por bem

E não o rouxinol do anoitecer...
Julieta ou Psiqué sem lampião,
Subi à mansarda do irmão
E empurrei a porta sem bater

E bah! O que vi mal suportei
E o forte coração se dissolveu:
Ali estava a outra que era eu,

Nua nos braços do belo jogador,
Alvas pernas no ar, fazendo amor
Do jeito que eu mesma me ensinei...

(sem data)

Nenhum comentário: